Coluna

Se ninguém fala – 02/2015 – por Sinval Lima

0

coluna-se-ninguem-fala-sinval-limaNesse carnaval eu quero mais é me divertir. É claro que vou curtir a festa, as fantasias, os enredos, todos os desfiles e vou rir muito quando vir alguns foliões desfilando com as máscaras de Cerveró, João Vaccari, Paulo Roberto Costa, José Dirceu, Genoíno, Eike Batista, Alberto Youssef, Renato Duque, Negromonte, Graça Foster, André Vargas, Pizzolato, Fernando Baiano, Dilma, Lula, lâmpada apagada, torneira seca, plataforma de petróleo e muitas outras que representam a situação nacional nos dias atuais. Vou rir muito porque não sou homem de chorar, mas que dá vontade, isso dá.

O carnaval é a maior festa pagã do mundo e estará sendo transmitido por todo o planeta. Imagine como vai ser engraçado, a cada cena do nosso carnaval países afora houver uma pergunta, em inglês, é claro: “Who is this? Alguém vai responder, em inglês, é claro: “This is Mr. Cerveró, a thief who stole the brazilian people”, ou então: “And another one?” “He’s Pizzolato, the fugitive” “Ah! There´s a woman. Who is she?” “This is the woman who commands all” e mais umaperguntinha, em inglês, é claro:“ Who is this bearded gentleman? E em resposta ouvirá: “This is the man who allowed all this thievery”. As máscaras de carnival deixarão os gringos perplexos. E os brasileiros no exterior? Esses sim vão rir muito porque não estão aqui para chorar juntos com a gente.

Essas máscaras são as mais conhecidas, mas até o próximo carnaval vai ter muito mais. Se eu me meter a besta e citar um por um, vai dar para encher várias páginas desse jornal em letras bem miúdas. As máscaras estão caindo uma a uma. Essa quadrilha imensa que sempre pousou de empresários sérios está pouco a pouco mostrando o que realmente é: o pior exemplo que uma nação pode ter. Mas eu sou um cara insensível, não estou nem aí para tudo isso. Não choro nem que a porca torça o rabo. Eu sou brasileiro, sou um forte e os fortes não choram, mas confesso que não aguento mais. Suportarei tudo isso de cabeça erguida e pensando bem, de cabeça erguida quero mudar de país, não por covardia mas por vergonha. Pensando melhor ainda, de cabeça erguida, acho que vou chorar na Lapônia,porque estou com dó do Brasil… escondido… e só volto na próxima edição. Feliz carnaval a todos…

Eduardo Gomes Jr., da Chromajet

Anterior

Marabu aposta no mercado de sublimação em 2015

PRÓXIMO

Você pode gostar

Comentários

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais em Coluna