Claudilei Simões de Sousa

Mara de Paula Giacomeli

18 passos para ter uma boa impressão

Para se obter um bom trabalho de impressão em erigrafia, é preciso arte final e fotolito bem preparados, uma matriz bem revelada, um impressor dedicado e que utilize tintas e equipamentos de qualidade.

 

1) Arte Final e fotolito – Utilize qualquer programa de desenho em computador, uma impressora laser acima de 1200 dpi ou Fotolito. No caso de se utilizar laser-filme, escolha um material de boa qualidade, escureça o toner do impresso aplicando com solvente.

 

2) Moldura da Matriz – a moldura não pode ficar muito próxima do desenho (deve-se deixar de 15 a 20 cm de tinteiro de cada lado na parte interna). Isto facilitará o impressor na manipulação da tinta, evitando borrões ou falhas.

 

3) Confeccionar a Matriz ou mandar fazer fora. É preciso obter informações sobre a qualidade dos produtos utilizados na confecção (tecidos e emulsão) e, principalmente, a Revelação da matriz que é muito importante, pois disso dependem o tempo útil dela e a boa definição no impresso.

 

4) Aplicar tintas e solventes de marcas conhecidas no mercado, além de substratos de boa  qualidade (faça um teste no material com recomendação do fabricante da Tinta e Substrato; isso evita prejuízo no final da impressão).

 

5) Rodo de dimensões maiores que o desenho, para se evitar marcas no meio da Impressão. Deve ser bem afiado, principalmente para imprimir letras finas, traços finos e retículas (quadricromia).  Puxe a tinta com a quina da borracha, inclinação de 45° a 60°. A dureza da borracha (importada ou nacional) de 70 a 80 shore.

 

6) Não utilize o mesmo rodo todo dia, trabalhe com três rodos, intercalando os dias de uso, assim o desgaste será menor, principalmente quando de opera com tinta à base de solvente.

 

7) Na impressão de traços finos e letras, não se deve aplicar tinta dura. No chapado, a tinta não poderá estar muito líquida, pois pode originar borrões.

 

8) Misture a tinta muito bem com o solvente indicado pelo fabricante, em recipiente separado. Deve-se evitar a mistura com tintas antigas para evitar a contaminação.

 

9) Faça a impressão em lugar bem ventilado e arejado se for usar tinta à base de solvente. Caso a tinta esteja secando na matriz, adicione um solvente retardador (universal), adicionando de 5{0745c43c0e3353fa97069a60769ee4ddd8009579514cad9a011db48d81360048} a 10{0745c43c0e3353fa97069a60769ee4ddd8009579514cad9a011db48d81360048} na tinta e misture bem. Quem usa tinta com secagem UV não terá esse problema.

 

10) Deixe sempre uma distância (uma moeda) entre a matriz e o material para se evitar borrões na impressão. Quanto maior a matriz, maior será o fora de contato. Numa matriz muito tensionada (12 a 20 N/cm) o fora de contato deverá ser diminuído.

 

11) Para segurar o material, utilize cola permanente, fita dupla face (dependendo do material) ou mesa a vácuo, evitando-se que o material suba junto com a matriz e borre a peça.

 

12) A matriz deve ser fixada na mesa com dobradiça (para trabalho de uma cor), com garra simples ou regulável. Pode-se também usar máquina semi-automática.

13) Para uma impressão perfeita e igual deve-se fazer um registro na mesa de impressão. No caso de peças redondas, cilíndricas, ovais, faça um molde em gesso ou durepox (obs: para impressão em material cilíndrico, utilize máquina semi-automática ou uma matriz curvada acompanhando a forma do material.

 

14) Antes de começar a produção, deve-se conferir o conjunto de impressão: a arte final, a matriz, o tamanho e fazer uma peça-piloto (prova) para aprovação de seu cliente . Em caso de material diferente, faça teste de aderência e atrito, deixando secar pelo tempo que o fabricante determinar, depois faça o teste de aderência.

 

15) Antes de iniciar a impressão, teste-a em folha de sulfite ou jornal para verificar falhas na impressão ou na matriz revelada.

 

16) Para se imprimir várias peças, sem limpe a matriz. Deve-se cobrir o desenho levemente com a tinta no intervalo de cada impressão. Tome cuidado para não deixar secar as tintas sintéticas, epóxi ou acrílicas na matriz, pois a mesma não se recupera.

 

17) Para embalar peças impressas, deve-se deixar secar totalmente a tinta para evitar que uma peça grude na outra, ocorrendo borrões e danificando o produto serigrafado.

 

18) No caso de material fino a ser impresso em várias cores, as impressões deve ser feitas no mesmo dia, para se evitar que o material encolha e, com isto, as cores não se encaixem. Imprima uma quantidade administrada para o mesmo dia, mas quando a produção é volumosa deve-se operar por etapas.

 

 

Por:

Compartilhe:

EXPEDIENTE

CNPJ: 65.399.586/0001-54
Reg. N. 13-Liv. B2 -28/01/98
R.C.P.J – Cotia/SP
Art. 8 Lei 5.250 (Lei de Imprensa)
INPI – Art.158 PLI-RPI N. 1390-97

Comercial:
Claudilei Simões de Sousa
sousa@oserigrafico.com


Editorial:
Mara de Paula Giacomeli
mara@oserigrafico.com


Administrativo:
administrativo@oserigrafico.com


Diagramação:
Aristides Neto
arte@oserigrafico.com

Anuncie aqui: